Fevereiro vermelho: Venda de veículos tem o pior desempenho em 8 anos

O mês de fevereiro de 2015 foi o pior em vendas dos últimos 8 anos.

Em sua última coletiva de imprensa, realizada no dia 03/03/15, a Fenabrave divulgou os números e fez uma análise do mercado.

Segundo a consultoria MB Associados, que assessora a Fenabrave, a presidente Dilma perdeu controle da agenda e vários apoios políticos importantes.
Além disso, houve piora expressiva do nível de atividade econômica.

Temos os seguintes aspectos negativos, que não contribuem para a melhora do cenário econômico:

  • Ajuste fiscal
  • Falta de água e de energia elétrica
  • Inflação
  • Aumento da taxa de juros
  • Operação lava jato
  • Piora do mercado de trabalho

Do lado positivo, temos:

  • Menos feriados
  • Mais exportação por causa do valor do câmbio alto

Com isso, o índice de confiança do consumidor está muito baixo, o número de geração de empregos está desacelerando, causando desemprego, principalmente na construção civil.

As famílias estão tomando menos financiamento e diminuindo sua inadimplência, ao contrário das pessoas jurídicas que tendem a aumentar a inadimplência do pagamento de seus financiamentos, impostos e dívidas.

Temos um cenário de recessão, com a Dilma perdendo cada vez mais apoio político.

Por outro lado o ministro Levy, sendo bem conservador, deve conseguir bater as metas estipuladas pelo governo.

 

 

Emplacamentos de veículos caem 22,19% no bimestre
A Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, entidade que representa mais de 7,9 mil concessionários de veículos de todo o Brasil, divulgou hoje (03), durante coletiva de imprensa, o desempenho do setor automotivo no mês de fevereiro e do bimestre de 2014.As vendas de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros, como carretinhas para transporte)
apresentaram queda de 22,19% em fevereiro, no comparativo com janeiro. Ao todo, foram emplacadas 290.215 unidades em fevereiro, ante as 372.989 registradas no mês anterior. Se comparado ao mesmo período do ano passado (393.117), a queda foi de 26,18%. No acumulado, a queda foi de 22,25% na comparação com o mesmo período de 2014.“Desde o ano de 2008 (191.106 unidades ) não tínhamos um fevereiro tão ruim e vários foram os fatores para este cenário de queda. O principal fator, que tem impacto na queda sucessiva das vendas, é a baixa atividade econômica, atrelada a alta da inflação, das taxas de juros que abalam ainda mais a oferta de crédito, o alto índice de endividamento das famílias e a perda de confiança da população, que passa a temer o desemprego. Além disso, especificamente o mês de fevereiro foi afetado pelo menor número de dias úteis (17 dias), devido ao feriado de carnaval.

Os segmentos de automóveis e comerciais leves tiveram o pior mês de fevereiro dos últimos 8 anos, apresentando queda de 26,68%, totalizando 178.822 unidades, contra 243.895 em janeiro. Se comparado com fevereiro do ano passado (245.904 unidades), o resultado aponta uma queda de 27,28%. No bimestre, esses segmentos caíram 22,53% se comparados a igual período de 2014.

Para caminhões, os resultados de fevereiro apontaram para a maior queda dos últimos 20 anos e, se considerado o bimestre, este foi o pior da última década.

Também para motocicletas, o mês de fevereiro e o acumulado do ano foram os piores dos últimos 9 anos.

Novas Projeções para 2015

Esses resultados fizeram a Fenabrave rever os dados de projeções para o ano de 2015. Porém, segundo o presidente da Fenabrave, em função de um mês de fevereiro atípico, a Federação deverá anunciar a revisão geral de previsões após a conclusão do primeiro trimestre, no início de abril.

Até o momento, as novas projeções iniciais, apresentadas pela Fenabrave, os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas devem sofrer retração de 9,28 % em 2015, somando 4.470.484 unidades.

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, devem retrair 10% em 2015, registrando 2.995.886 unidades. Já os segmentos de caminhões e ônibus, devem encerrar este ano com resultado 10,12% inferior a 2014, com 151.977 unidades emplacadas. Para o segmento de motos, a Fenabrave estima uma queda de 7,50% em 2015, com 1.322.621 unidades comercializadas ao longo deste ano.

Desempenho de cada segmento:

Automóveis e Comerciais leves: Foram emplacadas 178.822 unidades de automóveis e comerciais leves em fevereiro, contra 243.895 em janeiro, o que representa queda de 26,68%. Na comparação entre fevereiro 2015 e o mesmo mês de 2014 (245.904 unidades), a queda foi de 27,28%.

Caminhões e Ônibus: Os emplacamentos de caminhões apresentaram queda de 32,64% na comparação entre fevereiro e janeiro 2015. Foram licenciadas 5.171 unidades em fevereiro, contra 7.677 caminhões no mês anterior. Na comparação com fevereiro do ano passado, quando foram negociadas 10.363 unidades, o segmento retraiu em 50,10%.

O segmento de ônibus teve baixa de 11,71% no mês de passado. Foram emplacadas 1.968 unidades, contra 2.229 em janeiro. Na comparação com o mesmo período de 2014 (3.058unidades), o segmento também registrou baixa de 35,64%.

Os setores de caminhões e ônibus, juntos, apresentaram 27,93% de queda no comparativo entre janeiro e fevereiro de 2015, chegando a 46,81% na comparação entre fevereiro de 2015 e o mesmo período de 2014.

Motos: O segmento de duas rodas registrou queda de 13,66% em fevereiro, no comparativo com janeiro de 2014. Foram emplacadas 93.796 unidades em fevereiro, contra 108.639 no mês anterior. Em relação a fevereiro de 2014 (119.504), este setor apresentou baixa de 21,51%.

Implementos Rodoviários: Foram vendidas 2.071 unidades em fevereiro, contra 2.259 em janeiro. O volume representa queda de 8,32% entre os dois meses. Em relação a fevereiro do ano passado (4.696), o segmento apresentou retração de 55,90%.

Outros – Outros veículos, como carretinhas para transporte, apresentaram alta de 1,17% ao comparar os meses de janeiro e fevereiro. Se comparado a fevereiro de 2014 a queda foi de 12,56%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*